26 outubro 2005

A MÃO E O TEAR

Em nobres tecidos mergulham-se pensamentos, e entre agulhas de ouro e prata, se fiam palavras sem sentidos a outros nus, que por mais que os tenham em si, não se fazem entender por quem os vestem.
No paradoxo do vestir e desnudar, escondido o que se mostra, e exposto o que não se enxerga, faz ver ali sempre o detalhe, por quem entende o seu feitio. Não eco: O de outros olhos. Outros eles que, acertada e curiosamente, varrem espaços entre linhas e procuram, em pontos dados, viéses de fatos vividos por si, ou imaginados ali, ou supostos em vários.
Não caberá nunca o desfazer da costura. O avesso sempre estará à mostra de quem o busca, mesmo quando visto por lado outro. Avesso... Às avessas sempre alinhavos distintos a quem os faz, que destros parecem, mas que à esquerda andam sempre, em via inglesa.
Por que não a simplicidade de um tear? Por que não apenas uma única agulha e uma mera linha, que serviriam para pôr pontos onde faltam eles? Não, porque apenas pontos não bastariam. Se apenas eles, seriam sobras, não acabamento.
O simples não seduz pela facilidade aparente, mas pelo sentido oculto que nele é buscado. Assim é desde o sempre, e sempre o será.
Queres ver então, a mim, dessa forma? Não terás o esperado. Sou o que não se espera. Serei o que de mim aguardo. Sempre linha e agulha a fazer vestes que não cobrem a nada, nem a mim, que não as quero. Mas que as preciso, pelo encantamento de nada mostrar, a quem tudo quer ver.
Não esperas? Não, espera. É assim que terás o que buscas. Surpresas guardadas em ti, nunca em mim. Os sentidos muitos do que vês, estão apenas em ti. Nunca meus, e nunca serão.
Apenas por isso, e apenas assim (como se meros fossem, o isso e o assim), mesmo que tenhamos as linhas mais simples e as agulhas mais frágeis, nunca alinhavos. Vidas não se costuram apenas com isso, e assim. Também, sim. Nunca apenas.
Não encontrei a agulha única, e a mera linha de mim fugiu.
Não o previsível serei. Não a ele darei vida. Estando nós em linhas de vida misturadas, também a ele não terás.
Por isso faço-me assim. Para que não aches nunca, mas para que nunca pares de procurar.

1 Comments:

Anonymous Eu said...

Adorei os textos...de verdade!!
Vou dizer uma coisa, sabe, eu comecei a ler e ... enfim, eu quero dizer que você escreve como uma Filha de Gaia...

acho que vou voltar... esperando atualizações.. abraços. :D

9:27 PM  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home

<body><!-- para tirar a barra chata --><div id="b-navbar"><a href="http://www.blogger.com/" id="b-logo" title="Go to Blogger.com"><img src="http://www.blogger.com/img/navbar/4/logobar.gif" alt="Blogger" width="80" height="24" /></a><form id="b-search" action="http://www.google.com/search"><div id="b-more"><a href="http://www.blogger.com/" id="b-getorpost"><img src="http://www.blogger.com/img/navbar/4/btn_getblog.gif" alt="Get your own blog" width="112" height="15" /></a><a href="http://www.blogger.com/redirect/next_blog.pyra?navBar=true" id="b-next"><img src="http://www.blogger.com/img/navbar/4/btn_nextblog.gif" alt="Next blog" width="72" height="15" /></a></div><div id="b-this"><input type="text" id="b-query" name="q" /><input type="hidden" name="ie" value="ISO-8859-1" /><input type="hidden" name="sitesearch" value="abobradiario.blogspot.com" /><input type="image" src="http://www.blogger.com/img/navbar/4/btn_search.gif" alt="Search" value="Search" id="b-searchbtn" title="Search this blog with Google" /><a href="javascript:BlogThis();" id="b-blogthis">BlogThis!</a></div></form></div><script type="text/javascript"><!-- function BlogThis() {Q='';x=document;y=window;if(x.selection) {Q=x.selection.createRange().text;} else if (y.getSelection) { Q=y.getSelection();} else if (x.getSelection) { Q=x.getSelection();}popw = y.open('http://www.blogger.com/blog_this.pyra?t=' + escape(Q) + '&u=' + escape(location.href) + '&n=' + escape(document.title),'bloggerForm','scrollbars=no,width=475,height=300,top=175,left=75,status=yes,resizable=yes');void(0);} --></script><div id="space-for-ie"></div>